Quer Investir em Imóveis mas não tem Dinheiro? Conheça os Fundos Imobiliários!

Você já se interessou em investir em imóveis? Conquistar o sonho da casa própria, ou fazer algumas kitnets para alugar e ter uma fonte de renda extra? Hoje vou te mostrar o jeito mais prático de fazer isso: com Fundos Imobiliários.

Investir em imóveis é uma excelente opção. São ativos tradicionais, que geralmente se valorizam ao longo do tempo e, principalmente, trazem uma sensação de segurança para o investidor.

Publicidade


Só tem um problema! Imóveis são caríssimos. E a maior parte das pessoas não tem condições de arcar com um investimento de longo prazo como esse. Mas existe uma alternativa para quem ainda quer entrar nesse mercado:

Os Fundos Imobiliários, mais conhecidos como FIIs.

Publicidade

Publicidade


O que são Fundos Imobiliários?

FIIs são fundos de investimento que investem em ativos imobiliários, tanto em desenvolvimento quanto prontos, como imóveis residenciais, lajes corporativas, shoppings, sedes de empresas, imóveis de varejo e hospitais.

O fundo tem como objetivo conseguir retorno financeiro através de locação, arrendamento, venda de imóveis e outras atividades comuns ao setor.

Publicidade


Esses fundos também são bastante acessíveis ao investidor pessoa física, já que são ativos listados em bolsa. Basta que a pessoa faça uma conta em uma corretora e ela pode investir até mesmo da própria casa.

Publicidade

Quais são as vantagens de se investir em Fundos Imobiliários?

Publicidade


Bem, investir em fundos imobiliários possui múltiplas vantagens em relação a investir em imóveis da maneira tradicional:

  • Facilidade: ao comprar um imóvel o investidor tem uma série de etapas burocráticas para vencer, como se preocupar com escrituras, certidões, fazer reformas ou achar inquilinos. Com os FIIs isso não ocorre, já que o fundo sempre possui um gestor especializado em cuidar daqueles ativos. Você sempre tem a disposição alguém que faz toda essa gestão por você, em troca de uma taxa de performance.
  • Liquidez: as mesmas características que fazem o imóvel ser um investimento atrativo para a cultura brasileira, por ser físico, e seguro, também o deixam mais ilíquido. É muito improvável o aluguel ou venda rápida de um imóvel. Os FIIs são listados em bolsa, com pessoas negociando esses ativos por muitas horas ao dia, diminuindo muito o risco de não conseguir transferir o ativo.
  • Diversificação: é impossível comprar só metade de uma casa ou apartamento. Mas em um fundo, que investe em múltiplos ativos, ao comprar uma cota você está, literalmente, colocando seus ovos em múltiplas cestas.
  • Impostos: aluguéis provenientes de imóveis são tributados no Imposto de Renda da Pessoa Física, enquanto que rendimentos que vem de Fundos Imobiliários são isentos.
  • Risco: os FIIs normalmente investem em grandes empreendimentos, diversificando o risco de seu portfólio. Enquanto que você, ao comprar um imóvel, está muito exposto a ele ficar vazio, por exemplo.

Publicidade
Publicidade


Quais são os tipos de Fundos Imobiliários?

De maneira geral, os FIIs podem ser de quatro tipos:

  • Fundos de Renda: também conhecidos como fundos de tijolo, esse é o tipo de mais tradicional de FII. Neles os dispositivos que geram a renda do fundo são puramente tangíveis: lajes corporativas, galpões logísticas, shopping centers, agências bancárias e outros.
  • Fundos de Recebíveis: esses são conhecidos no mercado como “fundos de papel”. Nesse caso, o fundo não possui imóveis diretamente, e sim operações no mercado imobiliário que tem os imóveis como lastro para os negócios. Eles tem o perfil de serem uma renda fixa, mas pagarem muito mais do que títulos públicos.
  • Fundos de Desenvolvimento Imobiliário: nesses fundos, recursos captados são utilizados para financiar projetos de expansão imobiliária, em geral de imóveis residenciais. Após a construção e venda desses ativos, os cotistas são remunerados.
  • Fundos de Fundos: o tipo de fundo mais complexo e abstrato, os fundos de fundos tem em portfólio um conjunto de outros fundos imobiliários. São indicados para aqueles que não possuem tempo ou disposição para estudar esse mercado a  fundo, escolhendo investir nessa classe de ativos de maneira a ampliar a sua diversificação, diminuindo a exposição a riscos.
Publicidade


Como começo a investir em Fundos Imobiliários?

O primeiro passo para começar a investir neles é estudar muito a fundo esse mercado. Tenho duas sugestões de material: o Guia Suno de Investimentos e o Funds Explorer.

Publicidade

Esses sites são duas referências para você começar a se inteirar do mercado, entender os principais conceitos e conhecer algumas das métricas mais importantes. O Funds Explorer tem uma ferramenta de comparação entre diversos fundos, onde você pode ver o preço das cotas, as variações ao longo dos dias e quanto que elas tem de Dividend Yield.

Publicidade


O que é Dividend Yield?

O DY é a métrica que mede o quanto aquele fundo vai render para o cotista, por mês, em relação ao montante investido. Os fundos tem os DYs divulgados publicamente no mercado para que você possa tomar a decisão mais consciente possível na hora da compra. Esses dividendos são gerados mensalmente, meio que como o aluguel dos imóveis que os fundos possuem.

Funciona da mesma maneira que os dividendos do mercado regular de ações. Eles podem se tornar uma ótima fonte de renda passiva para o cotista, mas o conselho é sempre reinvestir o montante que vem dos dividendos, assim você adquire mais cotas, que viram mais dividendos, e pouco a pouco vão te levando em direção à independência financeira.

Publicidade


Que tal começar a investir em Fundos Imobiliários ainda em 2019?

saiba-mais

Publicidade